Margaridas…

Primeiro, foram os nomes dos netos. Depois, a literatura que tanto amava. E ela foi se despindo na frente de todos até lhe restar apenas uma. Foi estranho, mas o Alzheimer lhe concedeu o direito a uma só lembrança.

O que é forte o suficiente para vencer o vazio?

Para ela, o primeiro encontro com o homem de sua vida. Passava as tardes todas debruçada na janela, esperando. "Ele vem", dizia a todos… Então o marido, companheiro de décadas, passou a lhe trazer margaridas para corteja-la. Até que, numa noite, ela disse, colocando as mãos em seus ombros:

Não precisa mais. Já me conquistou.

E dormiu um sono longo, profundo do qual nunca mais despertou. Vovô ainda leva flores, todos os dias.

apolotorres2

Autor: Leonardo Sakamoto
Imagem: Apolo Torres

Anúncios

Sobre Robson Almeida

Baiano radicado em São Paulo, Paulistano de coração | Diletante da Escrita | Efémero | Lascivo | Bucólico | Butequeiro | Blogueiro | Meio Intelectual | Meio de Esquerda | Gente Diferenciada...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s