O velório da Galinha!

Passando pela praça Rafael Sapienza, na Vila Madalena observei uma cena no mínimo inusitada, um pombo velava uma galinha. Lá estava ele, impassível, observando o corpo da penosa abatida em sacrifício cerimonial, ela que jazia em uma generosa porção de farofa, acomodada em um vistoso prato de cerâmica. Nem mesmo minha presença curiosa ao me aproximar para tirar a foto o afastou do velório dela. Vez ou outra, ele ciscava de leve a borda do prato de cerâmica. Talvez isso significasse um ato de amor, garantindo que o descanso final da galinha permanecesse limpo e apresentável. Ou talvez não significasse coisa alguma porque, afinal de contas, ele era apenas um pombo. E, pelo visto, dos mais sujos.

Em determinado momento, o pombo se virou e me fitou. Olhei fixo em seus olhos esperando sua próxima reação. Então, seu bico me apontou as árvores ao redor onde também jaziam outros frangos, abatidos em vasilhas de cerâmica, alguns já em decomposição, fruto do implacável tempo. Sim, aquela esquina havia se tornado uma zona livre para despachos.

Por fim, aceitando o seu lugar no teatro do mundo, o pombo fez uma breve reverência com a cabeça e voou para longe, recolhendo seu luto

SEM-TT~1

Diante disso, é impossível deixar de perguntar:

Qual o santo que vale por São Paulo?

Com todo respeito às diferentes manifestações religiosas, mas uma praça em plena Vila Madalena, bairro nobre e boêmio, onde brincam crianças e famílias fazem piqueniques não pode se tornar um local de acúmulo de despachos por dias a fio sem que o poder público os venha recolher.

São Paulo é uma cidade global. Mas, ao contrário de moradores de outras urbes, como Paris e Londres, apenas agora o paulistano começa a ocupar praças como um espaço que lhe pertence. Comer com a família ou amigos em uma área verde é muito melhor do que na frente da TV, assistindo ao Faustão ou ao Sílvio Santos. Se essas áreas não estiverem conservadas, aí que o povo não vai sair de casa mesmo. Até porque São Paulo é dos carros. E dos pombos.

Kassab, toma que o frango é teu!

Autor: @robsonpnx

Anúncios

Sobre Robson Almeida

Baiano radicado em São Paulo, Paulistano de coração | Diletante da Escrita | Efémero | Lascivo | Bucólico | Butequeiro | Blogueiro | Meio Intelectual | Meio de Esquerda | Gente Diferenciada...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s