Sobre ser pai e não ser casado!

ATENÇÃO O post abaixo é uma resposta ao texto da jornalista Clara Averbuck , cujo o titulo é Sobre ser mãe e sobre ser livre, publicado no dia 22/10/2013 na Carta Capital. Li, reli, e até compartilhei com pessoas que sei que se identificariam. Devo dizer que concordei com algumas coisas, mas eu sou o outro lado, por isso escrevi uma resposta.


Porque sou pai, me cobram responsabilidade. Controlam meus gastos, quantos dias passei fora de casa, se falo palavrão. Porque sou pai, controlam a velocidade com que dirijo, se passo muito tempo na internet ou mexendo no carro. Minhas atitudes e minhas escolhas. Porque sou pai, porque sou homem.

Um pai que deixa de gostar da mulher com quem teve um filho é um pai ruim? Pai tem que ser amarrado a família mesmo que infeliz, não pode mais desejar realizar seus sonhos, beber cerveja com os amigos é egoísmo.

Pai tem que ir de casa pro trabalho e do trabalho pra casa, prover o sustento de sua sagrada família.

Pai que não for casado na indiscutível monogamia tem que procurar uma mulher de bem, que agrade a sua mãe, a mãe de sua filha, que seja uma boa mulher, uma boa madrasta! Baladas, viagem com os amigos no carnaval. Jamais! Irresponsável… Todos iram dizer!

Pai não pode viajar a trabalho, ou fazer intercambio. Já não quis assumir a mulher, e agora vai abandonar a filha.

Pai não pode se relacionar com uma outra mulher que já tenha filhos. Ela é biscate, deve se sustentar da pensão do ex e ainda arrumou esse trouxa pra poder bancar ela mais ainda.

Pai não pode querer ficar sozinho. Porque você não conversa com ela, tenta se acertar, vai ser melhor pra sua filha. Que mulher vai querer cuidar da filha de outra? Quem vai querer homem com kit? Homem com filho e separado não tem responsabilidade, não quer relacionamento sério com ninguém.

Pai quando paga pensão não faz mais que a obrigação, quando deixa de pagar é vagabundo, não quer saber dos filhos.

Exceto pela parte da gestação, um homem pode fazer tudo que uma mulher faz, pai pode dar de mamar, trocar frauda, dar banho, levar ao médico, acordar a noite pra colocar a chupeta, dar inalação, lavar as roupas, passar, limpar a casa, cozinhar, brincar, ensinar, educar, orientar sobre drogas, sexo. Pai não é banco, pai também é ser humano e também aprende com os filhos.

Pai não pode interferir na vida pessoal da sua ex, mas pode não querer que sua filha conviva com outro homem que ele não conhece, pode desconfiar do caráter dele, e pode exigir que uma assistente social faça visitas periódicas a casa de sua ex para saber em quais condições sua filha esta vivendo. E a mãe tem o mesmo direito.

Pai não pode se casa de novo, vai ter outros filhos e nunca mais vai querer saber da que teve antes. Pai não pode requerer a guarda dos filhos, isso é direito da mãe, seria desumano tirar um filho da mãe, mesmo que o pai possa dar a ele tudo o que ele precisa para ter melhores chances na vida. Não quero dizer com isso que algo nesse mundo substitui o amor de mãe, mas mãe que ama quer o melhor pro filho, e pai que ama quer o mesmo, e quer que o filho tenha uma boa referencia da mãe, mesmo que viva com ele.

Não a responsabilidade não é só da mãe não, e quando os pais são separados a responsabilidade é dobrada, porque quando o filho estiver com a mãe ela terá que acumular as funções de pai e mãe, e quando o filho estiver com o pai, ele terá que fazer as vezes de pai e mãe. Na hora de fazer foi bom, né? Agora aguenta porque a responsabilidade será sim dos dois para todo sempre.

Se não gostava dela porque deixou que isso fosse adiante? Era tão mais fácil ter acabado com esse problema no começo. Mas eu sou Homem, e jamais pensaria nisso, não importando as consequências, aprendi com os meus a ter caráter.

O pai ninguém julga pela roupa. O pai ninguém julga pela vida sexual. Mas julga sim se ele se casa de novo, se sai com uma ou muitas, se bebe, se fuma, se trepa. Homem pode tudo, mas pai não, pai também é referencia, também é exemplo para os filhos, não é só um detalhe. Ser pai não é uma obrigação, é um estado de espirito, é um sentimento.

Porque sou pai e não amo a mãe da minha filha sou um canalha, cafajeste. Mereço carregar esse estigma o resto da minha vida.

Porque sou pai e porque sou homem, me importo com minha filha, vou sempre lutar para que ela tenha o melhor, para que ela seja bem tratada, receba educação adequada e viva num ambiente que lhe proporcione bem estar. A filha também é minha, e ela não será criada como minha ex quiser, mas sim do melhor jeito para que ela se desenvolva saudável, inteligente, e em segurança. Da vida dela, ela faz o que quiser, mas da vida da minha filha eu vou participar sim. Somos homem e mulher livres, mas pais presos a responsabilidade de moldar o caráter de um outro ser.

A gente pode até nascer homem, mas só os melhores tornam-se pai…

Autor: @robsonpnx

Anúncios

Sobre Robson Almeida

Baiano radicado em São Paulo, Paulistano de coração | Diletante da Escrita | Efémero | Lascivo | Bucólico | Butequeiro | Blogueiro | Meio Intelectual | Meio de Esquerda | Gente Diferenciada...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s