Arquivo da tag: Transito

Retaliação passageirO

onibus-lotado2
 
Eu vou olhar bem pra cara de vocês!!!
Que é pra eu me lembrar… é
Da tua cara de pouco caso
De… de… de… "Não é problema meu!"
(…)
E não finge que tá dormindo não!
Ou olhar pro lado e fingir que não me viu,
e que só viu aquela puta mina gostosa com o decote no umbigo
e um enorme …
-HAAAra!
Gentileza não se cobra, né!
Me sinto num calabouço
Exausto, suado, espremido,
Com as mãos presa no alto em um ferro
E os poucos pertences que tenho parecem se multiplicar
…um puta peso!
Mas vou olhar bem pra vocês
Que é pra me lembrar!
E um dia vai ser minha vez…
Aí eu quero ver!
E eu não faço cara de coitado não, viu!
Seguro a minha onda como tem que ser
Fazer o quê?
Com você vai ser assim também!
Cê vai ver… cê vai ver…
Amanhã é outro dia
E sei que você vai estar aqui
nesse mesmo horário
Pra que eu possa me vingar!
É isso mesmo, me vingar!
Marquei sua cara!
Já era!
Se o lugar vagar e eu me sentar,
quero ver quem vai segurar a sua mochila.
 
Autor e Foto: Fabio Boca do DiQuintal
Anúncios

Mostre-me como viver!

Sei que tem gente por ai achando que a vida é como no clip do Audiosleve — Show Me How to Live…

Só não sei se tirar rachas em alta velocidade, na madruga ou durante o dia, por ruas e avenidas movimentadas ou não, colocando a vida dos demais transeuntes e passantes em risco seja a melhor forma de se viver?

Mas gosto demais dessa musica, e por isso vou ao som deles pro meu fim de semana, o bom rock — dos caras que tem cara de banda de rock — Audiosleve pro fim de semana ser animado, divertido, e quem sabe inesquecível!

Se dirigir não beba, nem tire rachas… E se beber, chama eu, não pra dirigir, mas pra beber junto!

Autor: @robsonpnx

Zal Fiets!

Existe uma guerra entre bicicletas e carros acontecendo no mundo todo. Só não percebe quem não quer. Nos EUA, moradores do Brooklyn estão processando a prefeitura para remover a principal ciclovia do bairro, para dar mais espaço aos carros. Em Moema – São Paulo, os comerciantes também estão fazendo um abaixo assinados para tirar a ciclovia implantada recentemente. No Brasil, ciclistas são atropelados em Porto Alegre e em São Paulo o empresário Antônio Bertolucci, presidente do Conselho de Administração do Grupo Lorenzetti, morreu aos 68 anos no dia 13/06, após ser atingido por um ônibus. Para os medíocres ele não tinha cargo nem idade para ser ciclista em São Paulo. No imaginário da cidade, são os jovens e os operários que pedalam; são pessoas com o senso de responsabilidade não muito apurado; uma turma que parece não ter gosto pela vida, pois se mete a andar em lugar destinado a carros e caminhões. Mas será que o lugar de Bertolucci teria de ser dentro de um carro com vidros escuros, blindado e conduzido por motorista particular?

“Andei de bicicleta em São Paulo e senti medo.” A frase do prefeito de Copenhague, Frank Jensen, foi dita no dia 02/06 deste ano quando visitou a cidade para participar do C40 Summit, o encontro dos governantes das 40 maiores cidades do mundo. Curioso que 11 dias depois Antônio Bertolucci tenha sido atropelado.

É preciso escancarar o que os números já mostram: a bicicleta é uma necessidade, no ambiente urbano. Das 380 mil viagens feitas por ciclistas dentro de São Paulo, 70% vão trabalhar e 16% seguem para a escola, fazem compras ou visitam médico, dentista e cabeleireiro. Ao contrario do que todos pensam a bicicleta não afasta, agrega. Não congestiona, faz fluir. Não desvaloriza, muito ao contrário, mostra consciência com a mobilidade urbana em favor de pessoas, como ocorre com Londres, Paris, Amsterdã e New York.

Bicicleta

Temos que começar agora a escolher, e construir o tipo de vida que queremos ter amanhã. Na luta entre carros e bicicletas, eu já escolhi meu lado, vou de bike ou de bus! Carro, só pra balada do fim de semana!

Autor: @robsonpnx